De Peito Aberto, #180diasdepeitoaberto, Deusdará, Deusdará Filmes
pagu-pictures.png
CIDADANIA_CULTURA_horizontal-01.png

PELA CULTURA DO ALEITAMENTO MATERNO NO BRASIL

Somos os realizadores do filme De Peito Aberto. Durante quatro anos ficamos submersos no rico universo do aleitamento materno. Conhecemos pessoas, movimentos, instituições e redes que nos inspiraram e nos deram força para concretizar este tão ambicioso quanto necessário projeto. 

 

Mais do que contar histórias sobre mães sofrendo e se deliciando com a amamentação, tornamo-nos defensores dessa que é a mãe de todas as causas, a base para o desenvolvimento de uma cidadania plena. A luta para construir uma cultura de aleitamento não vem de hoje e já envolve e engaja importantes agentes sociais. 

 

Queremos nos juntar a esse movimento. Temos na bagagem um rico acervo, com entrevistas, dados e análises de alguns dos mais importantes estudiosos do assunto. Uma pequena parte desse material foi utilizada no filme. Embora muito rica, ela é insuficiente para abarcar com profundidade todas as dimensões do aleitamento materno.

 

A maneira que encontramos para tornar esse conteúdo acessível foi organizando-o e trabalhando-o junto aos mais importantes agentes de transformação social. Se você está lendo este texto é porque consideramos que você é um desses agentes e pode nos ajudar a criar a massa crítica necessária à compreensão e a uma verdadeira e possível mudança cultural.

 

São seis grandes blocos temáticos, que permitem dissecar os aspectos culturais, históricos, políticos e econômicos da amamentação. Muitos desses assuntos não são motivo de debate público. Quando são, ficam confinados em grupos de afinidade. Queremos estourar essa bolha e espalhar os anticorpos do leite materno para toda a sociedade. 

 

O objetivo principal dessa mobilização é provocar mudança de comportamento dos principais agentes envolvidos com o aleitamento materno, pautando conversas e principalmente ações positivas e de incentivo ao ato de amamentar. O foco é o aleitamento materno exclusivo, recomendado pela Organização Mundial de Saúde para acontecer durante os primeiros 180 dias de vida. No Brasil a média é de apenas 54 dias.

 

Acreditamos na autonomia da mulher, na sua escolha sobre querer ou não amamentar. Mas precisamos de condições mínimas para garantir esse direito a ela. A primeira garantia é a informação precisa, científica. Está comprovado que o leite materno não tem substituto. É superior em todos os aspectos. A segunda é a condição social de igualdade de direitos para a mulher. Não podemos exigir que recaia sobre ela a dedicação de parte importante da sua vida economicamente ativa aos filhos, em detrimento de sua competitividade no mercado de trabalho. Ou o aleitamento é um investimento de toda a sociedade ou esse futuro não vai se tornar realidade. 

 

#180DiasDePeitoAberto começou no dia 8 de março de 2019, dia da mulher, com a publicação do primeiro de uma série de minidocs do processo criativo do filme. 

 

Vamos iniciar uma grande conversa nas redes sociais. E esperamos entregar um rico material para estimular e parametrizar uma discussão em parceria com líderes de opinião, blogueiros/as, influenciadores, canais de comunicação, empresas, universidades, profissionais de saúde.

Nossa ideia é que essa conversa sirva de instrumento de mobilização e consiga alcançar grandes audiências, fazendo valer o esforço de mais de 700 mulheres que ajudaram a financiar De Peito Aberto

Queremos aprofundar o debate e ampliar a teia de agentes envolvidos com o debate público de temas como protagonismo da mulher, direitos humanos, políticas públicas. Queremos falar sobre a rede de apoio necessária para que o aleitamento aconteça, analisar e tentar neutralizar a força da indústria. Para isso precisamos do seu engajamento. 

Coloque a boca no trombone. Chegou a hora de falar sobre aleitamento materno. Use as hashtags  #180DiasDePeitoAberto  #filmedepeitoaberto   #aleitamentomaterno  #culturadoaleitamento  #amamentação

Venha fazer parte dessa mobilização

Graziela Mantoanelli e equipe.